Vinícola Chandon

Página:
de 2

A Chandon faz parte do grupo LVMH - Louis Vuitton Moët Hennessy - o maior conglomerado de produtos de luxo do mundo e que nasceu em 1987 do resultado da união dos grupos franceses Louis Vuitton (fundado em 1854) e Moët Hennessy (procedente do champagne Moët & Chandon, fundado em 1743, e do Cognac Hennessy, de 1765).

Com a união, passaram a pertencer a um só grupo os champagnes Dom Pérignon, Krug, Moët & Chandon, Veuve Clicquot, dentre outros nomes fortes do segmento de bebidas de luxo.

Em 1973, a Maison Moët & Chandon decide apostar no potencial vitivinícola brasileiro e inaugura a Chandon em Garibaldi, no Rio Grande do Sul. O investimento cresce e se consolida.

Hoje, a empresa é líder absoluta no segmento de vinhos espumantes naturais de luxo e além de ter motivos de sobra para celebrar por aqui, a Chandon também é produzida na Argentina, Califórnia, Austrália, Índia e China. Cada Chandon expressa as características do terroir em que se encontra.

Uvas de qualidade são imprescindíveis para um bom vinho espumante natural. Elas só nascem com todo o esplendor em solo e climas favoráveis como em Garibaldi, uma pequena cidade do Sul do país, na qual está localizado o vinhedo. Região conhecida por suas uvas e pelo alto potencial para a elaboração de vinhos espumantes de qualidade.

O microclima local, temperado e de noites frescas, possibilita a lenta maturação e desenvolvimento de bons níveis de açúcar e de acidez da fruta. Essas são características que, mais tarde, darão origem à fineza aromática e ao frescor do produto Chandon.

A uva é a alma do espumante. Por esta razão, a Chandon tira o máximo proveito de sua experiência e sua técnica para obter os melhores frutos. Em nossos vinhedos, são cultivadas variedades nobres das cepas Chardonnay e Pinot Noir, mudas importadas da França, e também o Riesling Itálico, já cultivado na região, que foi melhorado e incorporado aos assemblages.

Um grande vinho base é a chave para um bom vinho espumante natural, a explicação é simples: se ele for de boa qualidade, suas virtudes serão realçadas no produto. Por isso, o processo de vinificação é cauteloso e a busca pela perfeição nele é constante.

O assemblage tem como significado a harmonização de diversos vinhos de uma mesma região, geralmente de diferentes safras e variedades de uvas.

Aqui temos um dos segredos da Chandon: o desafio de reunir o melhor de cada amostra e obter um conjunto de qualidade superior a dos vinhos individualmente. Sendo assim, o assemblage nada mais é que uma combinação de ciência e arte e não apenas de técnica.